quarta-feira, 1 de maio de 2019

Vingadores - Ultimato

Três semanas depois da maior derrota dos Vingadores durante a Guerra Infinita, os herois da Terra
localizam Thanos para que ele desfaça todo o mal que cometeu. Traçando um plano para trazer de volta
todas as pessoas mortas pelo Titã Louco. O que não será fácil. O filme encerra mais de 10 anos da
maior saga cinematográfica do mundo. E merece mais um review machista!


Vingadores - Ultimato (Avengers - Endgame 2019)
Dirigido por Anthony e Joe Russo
Escrito por Christopher Markus e Stephen McFelly
Derrotas e falhas
O filme começa mostrando o Gavião Arqueiro Clint Barton, Jeremy Renner, vivendo tranquilamente com
sua família e treinando a sua filha com arco e flecha. Ele calmamente ensina a sua filha a acertar
no meio do alvo enquanto seus filhos comem um cachorro quente brasileiro com maionese.
Em um momento ele está feliz e no outro a sua família simplesmente some sem deixar vestígios.
Isso mostra a extensão da tragédia proporcionada por Thanos e define todo um caráter de vários
personagens ao longo da história.

Também temos a belíssima sequencia sobre Tony Stark, Robert Downey Jr, no espaço mandando uma mensagem para a sua amada Pepper Potts, Gwyneth Paltrow, sobre sua luta com Thanos, sua derrota,
 perder Peter Parker e a morte iminente por falta de ar. Stark espera morrer dormindo
quando o oxigênio acabar. E nesse momento provavelmente vai estar sonhando com ela. Sempre com ela.
O trailer de Vingadores que mostra essa passagem é por si só uma pequena obra de arte.

Stark é resgatado então pela Capitão Feminazi, Brie Larson. Os Vingadores então se unem na terra para
finalmente encontrar Thanos. Infelizmente, Thanos foi capturado e revelou que usou todo o poder das
Joias para então Destruir as Joias do Infinito! Impedindo os Vingadores trazer as pessoas de volta.
Sem opção, Thanos é decapitado por Thor. A Terra foi vingada.

E sem ter como voltar atrás as ações do Titã, se passam cinco longos anos de derrota e pesar que definem
mudanças em nossos herois.

Com a Derrota dos Vingadores, algumas mudanças ocorreram...


Estar errado pelo motivo certo, estar certo pelo motivo errado.
Tony Stark agradece a Capitão America pelo resgate, mas explica furioso aquilo pelo qual brigou tanto
com o próprio Capitão em Vingadores - A Era de Ultron e Capitão America - Guerra Civil.
O conseito de uma armadura em volta do Planeta Terra, um plano de defesa justamente para casos como Thanos.
O conceito de construir novas armas e meios de defesa. Em muitas coisas podemos afirmar que Tony esteve
errado, mas pelos motivos certos. Enquanto que o Capitão America, Chris Evans, defendeu uma concordância democrática sobre criar um plano de defesa.
Ele também defendeu o direito de não se submeter a um governo e de ninguém ser preso sem um julgamento. No caso de Bucky, seu amigo que foi manipulado a se tornar um assassino contra a vontade.
Capitão defendeu o certo pelos motivos errados.

Foi o dialogo mais importante de dois filmes e merece voltar a pauta aqui.
A derrota para Thanos e o Genocídio de Trilhões de vidas no universo mostrou que Tony estava certo.
E com isso, ele se isolou com Pepper para finalmente ter uma família. Com sua pequena filha Morgan.


De Volta para o Futuro!
São longos anos de depressão para os Vingadores e para o mundo até que um dia um furgão carregado
com os equipamentos do Professor Hank Pym, os equipamentos são ligados depois de cinco anos pelas
patas da aparição especial de Mickey Mouse e isso faz com que um heroi do passado volte. Se trata
do Homem Formiga, Paul Rudd, que traz consigo uma informação valiosa: A Viajem no Tempo é possível!

Temos assim, toda uma citação de filmes sobre viagem no tempo e um planejamento que vai precisar
de todos os heróis para voltar no tempo, homenagear todos os filmes importantes de 10 anos de
Universo Cinematográfico da Marvel e trazer de volta para o futuro todas as Joias do Infinito!

É lógico que é um plano tão maluco que pode dar certo.
E a esperança mostra uma infinidade de piadas e conceitos tão enraizados em nossa cultura que mostra
todo um carinho e cuidado com o tema. Tem citação até de Hot tub - Time Machine!
E o conceito de viagem no tempo é o mesmo dos quadrinhos de Quarteto Fantástico.
Você é incapaz de mudar o seu próprio passado, apenas de criar realidades alternativas que não mudam o tempo original do viajante!


Da derrota a procura de Redenção
Um dos temas mais comuns em filmes machistas é o fato de que um homem que perde sua familia pode se
entregar para a raiva e ao ódio. Neste quesito, temos a história de Thor, Chris Hemsworth, cuja derrota
foi pesada. Thor praticamente abandonou seus ideais heroicos, seus valores, sua vontade de governar Asgard e tudo o mais para se dedicar a ficar bebendo cerveja, jogando fortnite e se afogando em auto piedade. Precisando ser resgatado pela sua amizade com Hulk.

E vamos falar dos elefantes na sala.
Thor sentiu muito o peso das derrotas, principalmente sendo o personagem mais descaracterizado do MCU pelos filmes Thor - Mundo Sombrio e Thor - Ragnarock, onde perdeu praticamente tudo incluindo mãe, pai, mais da metade de seu povo, seu martelo e a própria Asgard. Thor está todo barbudo, cabeludo e gordo em Vingadores Ultimato. Está isolado e está sempre sorrindo. E isso é sintoma sério de DEPRESSÃO. Doença que vitima muitas pessoas. O que me faz lembrar diretamente de pessoas queridas como o comediante Robin Williams, o comediante Fausto Fanti do grupo Hermes & Renato no Brasil. Ambos se mataram tragicamente depois de sofrer depressão. Atualmente, um dos comediantes mais queridos a sofrer desse mal é Jim Carrey.
Outro que sofreu muito foi Clint Barton que terminou abandonando completamente a sua
história heroica para se tornar o Vigilante Ronin. Que mata criminosos sem dó. Passando cinco longos anos
matando em torno de 400 criminosos. Comportamento completamente auto destrutivo. Temos aqui o tema de como Clint se deixou levar pelo desespero e pela dor até ser resgatado pela amizade de Viúva Negra, Scarlett Johansson, que estende a mão oferecendo nada menos que redenção e esperança. Clint se torna então um dos mais compromissados com a missão.

Temos então a construção de um caráter machista mais antigo que a própria humanidade.
Que é a Jornada dos Heróis pelo bem comum através de redescobrirem suas motivações, seus valores e suas virtudes para enfrentar um grande mal para conseguir salvar trilhões de vidas. 



11 loucos no tempo
A parte fundamental do filme é a grande homenagem que o mesmo faz por 10 anos de Marvel.
E isso significa revisitar grandes momentos dos Vingadores assim como uma jornada diferente para cada personagem. Tem muita porrada, comédia, ação e alguns personagens tem oportunidades únicas no mundo.

Thor, por exemplo, vai para Asgard recuperar a Joia da Realidade junto com Rocket Racoon.
Mas lá, acaba sendo encontrado por sua própria mãe Frigga, a fodastica Rene Russo, a qual não só reconhece o seu filho de um outro tempo, como reconhece o quanto ele precisa do conselho de sua mãe.
Thor voltou no tempo para recuperar uma Joia Infinitamente preciosa, mas o maior tesouro foi mesmo
poder ver a sua mãe. Isso o ajudou a se reencontrar mais do que vitória ou vingança. E de bonus ainda recuperou o Mjölnir!

Outro que conseguiu muito mais do que procurava foi Tony Stark, que conseguiu conversar com ninguém menos que seu pai Howard Stark, John Slattery, e o assunto foi simplesmente família!

Mas com certeza o evento de maior importância foi justamente Gavião Arqueiro e Viuva Negra em sua busca pela joia da Alma! Pois para conquistar a Joia da Alma, existe um preço altíssimo. A pessoa que quiser ter a Joia tem que sacrificar a pessoa que mais ama. E então temos um momento que realmente devemos conversar sobre o valor da amizade, da família e do sacrifício próprio pelo bem dos outros.

Clint não acreditava em redenção fácil e estava disposto a se sacrificar pelo bem das pessoas.
E justamente a Viuva Negra acreditava na redenção do amigo e em fazer o que era certo. O que levou ambos os personagens a lutar para se sacrificarem pelo bem da humanidade. No final, Natasha Romanov, a Viúva Negra, fez o sacrifício maior e mais importante do filme.


O Exterminador do Futuro
Rhodes, O Maquina de Combate interpretado por Don Cheadle, e Nebulosa vão para o Planeta Morag em
Guardiões da Galaxia nocautear Peter Quill, Chris Pratt, e tomar a Joia do Poder. A missão é fácil
até que a rede neural de Nebulosa, Karen Gillan, entra em contato com a sua parte no passado. Nessa hora,
Thanos tem acesso a toda a sua memoria de passado, presente e futuro. Sabendo do plano dos Vingadores.
Thanos captura a Nebulosa do futuro e faz a troca para conseguir viajar no tempo e espaço até encontrar
os Vingadores e todas as Joias do Infinito Juntas.

Quando os Vingadores conseguem trazer todas as pessoas que Thanos matou, temos o Titã Louco chegando a
terra para destruir tudo e pegar as Joias. Ao final do filme, temos incriveis 40 minutos de porrada!
E não preciso descrever cada porrada em tela para explicar a importancia dessa batalha.

Assim pelo fato de seu tamanho. Recuperar todas as pessoas que Thanos matou significa que no final todo
mundo foi para a batalha com nada menos que 80 herois e heroinas!

Disparado o melhor filme do ano!


O Respeito as Mulheres!
Adoro explicar como filmes machistas tem sim espaço para heroínas fodonas!
A começar pela Viúva Negra de Scarlett Johansson, que neste filme fez o papel mantendo todos os herois juntos. E não só isso, ela escolheu salvar o grande amigo Gavião lhe dando a esperança de voltar a ter a sua família e chegou ao cumulo de se sacrificar para conseguir a Joia da Alma. Incomoda um pouco que não tenha tido um funeral decente pra ela e nem que tenham usado a joia da alma e do tempo para traze-la de volta.
E falando em mais respeito a essa personagem, vou fazer justiça com ela explicando que a sua história de origem foi literalmente roubada no cinema.
Viúva Negra foi criada pela KGB para ser a espiã perfeita com treinamento, tortura, lavagem cerebral e até a mutilação de seu ventre! Ela passou todo o inicio de sua vida aprendendo a matar e boa parte de sua vida adulta matando em nome de quem pagar mais.
E o que mudou na vida dela foi a amizade de Clint Barton que a ajudou sem querer nada em troca!
Ela conheceu verdadeiros heróis e eles a aceitaram como família. E isso ajudou a definir um caráter heroico da heroína. Foram longos anos de redenção. Uma verdadeira Heroína Fodona!


A verdadeira Heroína mais Forte!
A Feiticeira Escarlate de Elizabeth Olsen entrou de corpo, alma e principalmente coração na batalha!
Deu muito trabalho para Thanos. Fez questão de encarar o Titã pelo que ele fez ao único homem que amou, Visão! A Feiticeira tem poderes de manipular a matéria, as probabilidades e a magia do caos! Chegou a tal ponto que quase o venceu e isso o fez apelar com um ataque aéreo. O Fogo no Céu!
Onde sua nave faria um bombardeio em cima do campo de batalha!
 
A Injustiçada Nebulosa
Karen Gillan fez um trabalho fenomenal como a personagem Nebulosa.
Em três filmes, a personagem foi de vilã a heroina representando dor, sofrimento,
rancor, esperança, teve momentos de puro heroismo, cenas de luta maravilhosas e
fez parte integral da história ligando os Vingadores com o Vilão Thanos.
É uma personagem com o arco mais completo do MCU.
E mesmo depois de tudo isso, mal aparece nos posteres do filme!
Sendo substituida pela Capitã Feminazi...



A Capitã Feminazi
Brie Larson é uma feminista insuportável interpretando uma personagem extremamente poderosa.
Chegou ao ponto de ser tóxica e incomodar outros atores do filme, principalmente atrizes.
A personagem é extremamente arrogante perante os Vingadores. E isso é ruim?
Ficaria fácil eu apontar a personagem sendo assim por causa do feminismo.
Mas a verdade é que o poder extremo e a arrogância fazem parte tanto da personagem quanto da construção de vilões. Nos quadrinhos, ela chegou a ser vilã de algumas sagas. O que condiz com o filme onde com todo o seu poder, ela teve duas derrotas amargas para Thanos.
Se a essência machista do filme é o respeito para todas as personagens femininas em 10 anos de Marvel nos cinemas, a Capitã Feminazi é o desrespeito feito de um jeito que diminui o papel de outras mulheres e colegas.

quarta-feira, 17 de abril de 2019

O Codigo

Jason Statham, porra!


O Codigo (Safe 2012)
Dirigido e escrito por Boaz Yakin

Um filme machista pra caralho!
Todo o filme começa com uma atitude verdadeiramente machista. Começa em um metro com bandidos perseguindo uma criança, a menina Mei de dez anos. Os bandidos querem pega-la a qualquer custo. É uma menina apavorada sozinha fugindo de bandidos. E nessa hora que um homem sozinho decide ter a atitude de salvar a menina. E essa fabula sobre a coragem de fazer o certo vai embalar um ótimo filme de ação com muitos tiroteios e porrada! São valores machistas em sua forma mais pura sobre o ideal de resgate de valores como coragem, perseverança, astúcia e altruísmo.

Quem salva quem?
Uma das coisas mais simples que o personagem de Jason Statham, Luke Wrigth (Sorte Certa), fala para a criança Mei, Catherine Chan, é que foi ela quem o salvou. E isso tem todo um significado profundo. Antes de conhecer a menina, o personagem estava em um espiral de auto destruição sem propósito de vida. Quando ele a conheceu, sozinha, com medo e perseguida pela própria máfia Russa, ele decidiu fazer o certo. E sim, isso o salvou. O verdadeiro machista é definido por valores e virtudes que protegem a família e os inocentes que não podem se defender. E no momento em que Luke a encontrou, encontrou um motivo para viver e pelo qual vale a pena morrer. E isso define o machista desde a pré-história! E é por isso que o machista pode dizer com convicção para a criança: “Eu não te salvei, você me salvou antes. Estou retribuindo o favor.”

A matemática do desastre
Antes de se conhecerem, Luke e Mei tem as suas histórias contadas. Mei é uma menina especial super dotada que adora matemática a ponto de poder humilhar o professor. Ela faz cálculos super rápidos mesmo com números muito grandes e complexos. E é por isso que a temida tríade chinesa sequestra a menina para fazer contabilidade. Mei chega a ter a sua mãe ameaçada e é adotada pelo mafioso chines Chang. A criança então fica a mercê das ameaças e da violência da máfia chinesa. Completamente indefesa. A criança recebe um extenso número codificado que leva diretamente a um cofre contendo 30 milhões de dólares. O suficiente para que a máfia russa queira sequestrar a criança para ter o dinheiro.

Sorte Certa
Luke Wright é um ex policial e agente especial que só saiu da corporação para poder se infiltrar na máfia russa. É extremamente bem treinado, esperto e se infiltrou com sucesso no submundo do MMA. Infelizmente ele deixa um novato em coma depois de um golpe. O que irritou profundamente a máfia russa.
Ele era um ótimo lutador e investigador até a máfia russa invadir a sua casa e matar a sua mulher gravida. A partir desse momento ele parou de lutar até virar um mendigo. Não enxergava mais motivos para viver, para reagir contra ameaças ou contra a violência. Ele perdeu tudo o que realmente lhe importava. E o que mudou e porque mudou foi justamente ver uma menina apavorada no metro se escondendo de mafiosos russos. Foi nessa hora que Luke precisou ser corajoso. Para defender uma criança.

Muita porrada, violência e tiroteios
O filme é o típico caso de filme de ação barato subestimado. Suas cenas de ação, porrada e tiroteios são extremamente bem trabalhadas e podemos ver esmero na realização da equipe. De fato, uma boa direção das lutas e tiroteios constroem muito melhor os personagens em cena do que câmeras tremidas, cortes caóticos, edição frenética ou trilha sonora aleatória.
Aqui as cenas são construídas pra mostrar que o personagem de Jason Statham entende perfeitamente o que está acontecendo ao seu redor e com quem está lutando. O filme tem três núcleos de ação com Luke enfrentando a máfia russa, a máfia chinesa e policiais corruptos. São seis vilões e muitas cenas de ação. Luke luta pra caralho, mas nunca é demasiado violento, covarde e uma das cenas mais simples mostra o personagem calmamente colocando sinto de segurança na menina Mei antes de uma perseguição de carro com tiroteio. Coisas simples que mostram o caráter do personagem.

Não é por dinheiro e nem por vingança
Ao final do filme com muitos tiroteios, Luke e Mei conseguem o dinheiro dos chineses e o filho do mafioso russo, justamente o homem que matou a mulher gravida de Luke. No final, Luke tem a chance de se vingar do homem que matou a sua mulher, matar o chefe corrupto da policia que o traiu e ainda ficar com 30 milhões de dólares. E o machista abriu mão de tudo isso. Nem sequer cogitou se vingar ou ficar com parte do dinheiro.
Deu 50 mil do dinheiro pro chefe de policia corrupto. Devolveu todo o resto do dinheiro para a máfia chinesa e devolveu o próprio homem que matou a sua mulher para a máfia russa. E comprou assim a segurança da menina com a policia corrupta, com a máfia chinesa e com a máfia russa. Nunca mais perseguirão a pobre menina enquanto ela viver!
E ainda fez um dos atos de amor ao próximo mais bonitos do mundo: A adoção da criança!
Conclusão
O filme tem uma premissa nota 10 de um personagem que nem mesmo tinha vontade de viver e que precisa reencontrar força nos valores que formam o verdadeiro machista! E tudo isso pelo bem estar de uma menina indefesa e apavorada perseguida por mafiosos violentos! É pelo bem estar da criança que o machista precisa ser forte, corajoso e fazer o que é certo! É um ótimo filme de ação cheio de simples e verdadeiras lições de vida para se pensar. 
Melhor que John Wick

sábado, 6 de abril de 2019

Aquaman

Todos os meus 5 leitores sabem do conceito que eu uso para descrever o machismo de uma forma clássica e bem estruturada em toda a nossa cultura. Machismo é um ideal de valores e virtudes que todo homem deve conhecer e praticar em sua vida. E os melhores exemplos de ideal masculino estão em varias obras diferentes na cultura da humanidade. São os heróis. E este é o review de um filme machista com um herói pouco reconhecido...

Aquaman (2018)
Dirigido por James Wan
Escrito por David Leslie Johnson, Will Beall, Geoff Johns, James Wan, Will Beall
Baseado em Aquaman - de Mort Weisinger e Paul Norris


Águamen
O filme começa contando a história de um simples faroleiro que encontra uma moça boiando ferida no mar. Ele a leva para casa para descobrir que na verdade ela era a princesa guerreira Atlanna fugindo de um casamento forjado em um reino lendário. Parece dificil de acreditar, mas dai ela atravessa a TV com seu tridente mágico. E ele soube que ela era um pouco diferente. A TV estava passando o filme clássico 20,000 leguas submarinas. Depois ela comeu seu peixinho dourado e ele sou que era o amor de sua vida.

Um caso de amor com a literatura
A história de amor dos dois reúne pequenas citações tanto a Julio Verne quanto a HP Lovecraft. O legal é a citação de que o nome Arthur vem do Rei Arthur. E o filme entrega diversas citações de literatura fantástica. E não só a literatura, mas história e mitologia também. 
Se passando no fundo do mar, o filme mostra diversas criaturas mitológicas e pré-históricas ao mesmo tempo que estabelece que existe interação direta entre lendas e realidades.
  
Respeite as mulheres ou vai apanhar bem feio!
Finalmente deram uma personagem de quadrinhos e literatura fantástica para Nicole Kidman. Como princesa de Atlantida, ela fugiu de um casamento forçado e constituiu família com o faroleiro. E eles tiveram um filho, Arthur, um príncipe que teria uma vida humilde.
Mas com o tempo, soldados atlantes encontraram a casa deles e vieram buscar a princesa. Nesse momento entendemos o Diretor James Wan. O qual entrega uma super cena de ação! Ela defende a sua família em uma cena de porrada tão bem feita, que a camera quase parada e a ação extremamente clara dão o tom de uma heroina fodona no auge de sua capacidade mental durante uma luta. Nós conseguimos entender toda a cena de ação por acompanhar uma heroina mestre na arte de chutar briocos!
Infelizmente, a princesa entende o perigo que um exercito atlante representa contra a vida de sua família e decide se sacrificar da pior forma possivel tendo que abandonar o filho que ama e o homem que quer.

A Jornada do Herói
Arthur é um herói relutante que é chamado pela princesa guerreira e heroína fodona Mera para impedir nada menos que uma guerra entre Atlântida e todos os países da superfície. Para isso, Arthur e Mera precisam percorrer diferentes lugares do mundo onde Arthur enfrentará grandes perigos para poder se consagrar como Rei legitimo de Atlântida.
O filme reconta a Jornada do Herói em sua forma mais pura. Isso significa um filme simples  e sem profundidade? Lógico que não! Aqui o filme não levou na brincadeira e conseguiu condensar nada menos que 9 aventuras diferentes em um só filme! Literalmente pegaram todos os aspectos positivos das décadas de aventuras do personagem, chamaram o escritor que melhor definiu o personagem e criaram um filme que mostra o personagem percorrendo por distantes lugares das profundezas, cada um com sua mitologia própria e identidade. Temos desde a aventura arqueológica até os horrores dos seres das profundezas!
Posso afirmar que este é mais um caso de filme baseado em tanto bom material que merecia uma série.

Valores familiares e virtudes
Podemos afirmar o caráter de Arthur através de suas ações fora das cenas de ação. O personagem é bonachão e carismático. Ele conta piadas, resolve brigas sem precisar brigar e tem um ótimo relacionamento com seu velho pai. Mas existem cenas onde ele realmente tenta fazer as coisas de forma diferente. 
Ele aceita um desafio até a morte com o próprio irmão mais novo e Rei de Atlântida. Mas antes do combate, ele realmente tenta conversar com o irmão, explica que sempre quis conhece-lo, conversar com ele e estabelecer um contato familiar.
No decorrer do filme existe todo um significado e importância na figura de, a mãe de Athur, uma Rainha guerreira e heroína fodona, é cercada de valores familiares como amor, sacrifício e principalmente o perdão. São os valores familiares que motivam Arthur.
Tanto é que Arthur nem mesmo almeja riqueza ou poder.

Mera
Filmes machistas sempre tem espaço para heroínas fodonas. Isso é um fato que eu adoro apontar. A noção de ideal masculino tem milênios de cultura onde o homem tem que ser respeitoso e responsável. E o respeito pelas mulheres tem um caráter heroico e romântico machista. Mas de vez em quando os filmes machistas exageram e entregam personagens femininas que dá gosto de falar. 
Mera é uma princesa guerreira inteligente interpretada pela talentosa Amber Heard. Uma de suas especialidades é justamente a magia das profundezas onde é capaz de manipular a própria água. Criando turbilhões, ondas, verdadeiras paredes de água e é até transformar água em poderosas laminas para perfurar seus inimigos. O que faz dela uma personagem extremamente poderosa.
E sendo mais honesto com a personagem, ela própria tinha toda a capacidade de ser reconhecida como a principal heroína fodona do filme. Já que carrega boa parte da história de Atlântida e o seu objetivo é altruísta de evitar uma guerra. Mas como ela mesma reconhece que não seria capaz de desafiar sozinha as forças de Atlântida, ela resolveu chamar Arthur, que é o outro herdeiro ao trono e que já ajudou enfrentando Lobo da Estepe no filme da Liga da Justiça.

 A consagração sem spoiler
Agora vou ser malvado. Já que não posso contar da metade pro final do filme.
Mas vale lembrar que Aquaman não precisava se sagrar como herói. Ele já o tinha feito antes no filme da Liga da Justiça, não precisava provar mais nada e nem almejava o trono de Atlantis. Sua jornada era mais intima, pessoal, diretamente ligada a sua mãe e as suas origens. Foi a descoberta de que ele fazia parte de um mundo cheio de magia com reinos diferentes com suas próprias histórias. Entender que tinha um irmão com quem poderia se matar ou se reconciliar.
O filme consegue passar uma ideia de um universo fantástico de personagens e criaturas que os próprios filmes de Star Wars perderam. Jason Momoa construiu um Aquaman bem carismático e isso sustenta boa parte do filme.

Um filmão!

quinta-feira, 28 de março de 2019

Capitã Marvel - Um Filme Feminista



A Capitã Marvel é uma personagem forçada que na literatura nunca foi capaz de realmente fazer frente com bons personagens da Marvel. Isso nunca impediu a editora de forçar a personagem pra cima dos leitores. Em histórias que vão de fracas até histórias que ofendem a inteligência dos leitores.
Na saga Guerra Civil 2, foi a VILÃ responsável por colocar metade da Marvel contra o novo Homem Aranha Miles Morales e sempre foi uma personagem sem um forte compasso moral. E eu defendo que isso é bom pois personagens podem ter personalidade e serem questionados. E a Capitã Marvel, por ser uma personagem que se enxerga justamente como uma heroína mais poderosa que todos os outros, tem essa identidade onde os fins justificam os meios em histórias que ela se torna a personificação de vilã. Assim como histórias onde ela, por se considerar mais poderosa, tenta humilhar personagens como o Capitão América só para ter derrotas físicas e morais.

A personagem se vê nos quadrinhos como a mais certa e forte que outros personagens
O que a leva a recontar histórias de orgulho e queda várias vezes.
Essa é a identidade da personagem.

No cinema, foi interpretada pela atriz Brie Larson. Feminista, Brie é hipócrita, racista e misândrica. E isso coube como uma luva na personagem.


Capitã Marvel (Capitain Marvel 2019)

Dirigido por Anna Boden e Ryan Fleck
Escrito por Meg LeFauve, Nicole Perlman, Geneva Robertson-Dworet, Liz Flahive, Carly Mensch, Anna Boden e Ryan Fleck


No filme, Carol Danvers RECONTA a fábula da auto afirmação da pessoa que precisou se esforçar para conquistar o seu espaço. E como vários filmes que tem a mesma premissa de agenda feminista, esquece o que significa a Jornada do Herói e como valores e virtudes constituem CARÁTER! A personagem tem uma jornada e começa a história como uma guerreira treinada que não se lembra de nada de seu passado e por isso não entende a própria história de superação até o final do filme.

O filme é o mais fraco da Marvel e tenta forçar a ideia da personagem feminista que seria a mais forte.
Fim.

A Formula do fracasso
Lara Croft (Tomb Raider), Selene (Anjos da Noite), Alice (Resident Evil) e outras tantas personagens feministas sofrem o complexo de Mary Sue. Mary Sue é quando a personagem feminina não tem nenhuma jornada profunda e resolve todos os problemas de modo super fácil. Nenhum vilão é assustador e nenhuma ameaça fica sem um piada. A personagem tem o super poder de resolver qualquer situação de modo fácil na base da mentira de roteiro. A Mary Sue é mais forte, inteligente, boa de briga e etc...

Toda Mary Sue é filha legitima de Bond, James Bond!
Que desde a fase galhofa do personagem com Roger Moore, consegue ser o pai de todo personagem mal feito da história do cinema. 

Defendendo BOAS personagens femininas


A personagem da Capitã Marvel só é forte enquanto diminuí todos os personagens masculinos na trama. Foi o que aconteceu com o personagem de Nick Fury que virou um pateta. O exemplo oposto de boa personagem feminina é a Viuva Negra vivida por Scarlett Johansson, que nunca precisou diminuir ninguém pra brilhar!
E verdade seja dita, além da Viuva Negra lutar muito melhor sem mimimi, ainda por cima teve a sua história de origem COPIADA pela Capitã Marvel. A Viuva Negra foi raptada e treinada pelo serviço secreto soviético para ser uma espia e guerreira mesmo que isso a tenha literalmente mutilado. Viuva Negra está nos cinemas desde 2010 com Homem de Ferro 2, com cenas de luta muito superiores e vou defender que o ponto alto da personagem está em Os Vingadores quando manipulou Loki para saber do seu plano.
Uma verdadeira jornada de superação com Vilões que são verdadeiras ameaças!

 
Uma personagem feminina com uma história de superação infinitamente melhor se chama Clarice Starling.
Vivida por duas grandes atrizes, Jodie Foster e Julianne Moore, Clarice Starling é menosprezada desde criança e tem que aprender a superar todas as adversidades para resolver os crimes de um serial killer enquanto nada menos que Hannibal Lecter brinca com a sua cabeça em O Silencio dos Inocentes.
Jornada de Superação com ameaças de verdade!

Uma das personagens mais duronas de verdade na história do cinema foi apresentada como uma garçonete cheia de sonhos que de repente descobre que um Ciborgue do Futuro interpretado por Arnold Schwarzenegger para mata-la!
Estou falando de Sarah Connor! Interpretada por Linda Hamilton e que se tornou uma verdadeira heroina fodona! Superação com ameaça de verdade!

Spoilers
O Filme representa as feministas. E não as mulheres!

Ao final do filme, eu fui perdendo toda a empolgação ao perceber mais e mais que toda as cenas de ação se tornaram show de luzes e personagens digitais sem vida ou propósito.
Tudo é resolvido em rajada de luzinha! Ao ponto de poder afirmar que o gato, O GATO é mais poderoso que ela!

Apareceu um inimigo? Rajada de Luzinha!
Um monte de naves? Rajada de Luzinha!
Provar que é forte e independente? Rajada de Luzinha!

O filme teve toda uma pretensão de REPRESENTAR todas as heroínas da Marvel esquecendo que em 20 filmes temos personagens femininas muito melhor representadas. A Gamora é a melhor assassina da galáxia porque foi criada pelo Thanos. A Feiticeira Escarlate, essa sim poderosa, viu a todos que amou serem mortos de forma violenta.

Ao final do filme a personagem finalmente é desafiada pelo seu próprio mentor que a treinou e acreditou nela, porque ele é o vilão do filme por motivos de que todos os homens devem ser patetas ou vilões segundo o feminismo. Ele a chama pra porrada na mão limpa pois assim ela estaria pronta. E o que a personagem faz?
Dá uma rajada de luzinha nele!

A Verdadeira Heroina Fodona do Filme!
Lashana Lynch interpreta a personagem Maria Rambeau, piloto de caça e melhor amiga da Capitã Marvel.
E a personagem é a representação pura de amizade, mãe e heroina fodona! Ela reconheceu, defendeu e acreditou na amiga desde antes dela ter poderes! Foi a voz da razão que deu um compasso moral para a Capitã Marvel!
Apareceu pouco no filme e conseguiu ser mais heroina do que a Capitã nunca será!
Em um só dia ajudou a amiga a se encontrar, fez um voô para fora do planeta, ajudou a salvar o mundo e combateu o racismo de verdade ao defender uma raça alienigena em extinção!


A Mulher Maravilha dá um pau na Capitã Marvel sem mimimi e sem CGI!

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Duro de Matar - Um Clássico Machista


No conservadorismo existe o conceito de que a humanidade não é formada apenas pelas pessoas vivas, mas também pelas mortas em uma noção de que a humanidade também é formada pela história em seus erros e maravilhas.
E assim como a história forma a humanidade, também existe o conceito de que certo e errado são concretos e imutáveis. Que prevaleceriam concretos e imutáveis mesmo que civilizações inteiras vivessem e morressem erradas. A inversão de valores sempre leva a ruina. E nada como um lindo filme de Natal para nos fazer lembrar de valores. Valores conservadores e machistas sobre o ideal heroico e romântico do ser humano.



Duro de Matar (Die Hard 1988)
Dirigido por John McTiernan
Escrito por Steven E. de Souza e Jeb Stuat.
Baseado no livro Nothing Lasts Forever de Roderick Thorp

Um filme natalino
O filme mostra a fabula de Natal de John McLane, vivido pelo ator Bruce Willis que até então era conhecido apenas por papeis em comédias, John McLane vive um momento difícil a beira do divorcio quando sua mulher o convida para a véspera de Natal no prédio Nakatomi Plaza. Tudo muda quando John testemunha terroristas violentos invadindo o prédio. Eles fazem reféns, ameaçam as pessoas e pretendem roubar o lugar. E quando o presidente da empresa, Senhor Takashi, se nega a dar os códigos para entregar o dinheiro, é prontamente morto. São mais de 30 reféns e os terroristas pretendem explodir o prédio com os reféns antes de fugir. E a única esperança é o próprio John McLane.

Coragem
Ao contrario dos filmes brucutus dos anos 80 com caras musculosos quase invencíveis como o Stallone e o Arnoldão, John é apenas um policial comum. De fato, John literalmente começa o filme de pés descalços e com muito medo de morrer. John não é invencível, é até inseguro e o filme todo é um jogo de gato e rato com John se escondendo para não morrer. E o fato de John enfrentar os terroristas mesmo assim é o exemplo do valor de coragem, a superação do medo. A motivação de John McLane é o bem estar das pessoas assim como de sua própria mulher entre os reféns.

Resiliência
Resiliência é o fato do ser humano resistir a todas as dificuldades e provações por aquilo que acredita. John Mclane passa o filme todo se fudendo, se ferindo mais e mais a cada confronto com os terroristas. John Mclane foi pego desprevenido no começo do filme sem os sapatos e passa o filme todo passando perrengue correndo por cima de cacos de vidro deixados nos tiroteios. Existe até um momento do filme onde John McLane realmente acha que vai morrer de tanta dor, mas isso não o impede de fazer o que é certo.



Valores familiares e o respeito a mulher
O Ideal machista heroico e romântico construído desde a pré história é o comportamento do homem responsável pelo bem estar da família. Isso é fato histórico muito bem representado nas mais diversas obras que construíram as mais diversas culturas. Valores familiares significam o respeito para com as mulheres. E no filme, a principal motivação de John McLane é a sua esposa Holly McLane que está nas mãos dos terroristas. Holly é vivida pela atriz Bonnie Bedelia e a personagem não é só pra ser bonitinha. Holly é uma personagem braba que se torna responsável pelo bem estar dos reféns. Holly usa a inteligência para conversar com os terroristas e consegue até ofender o chefe deles sem ser morta. Holly se apresenta inclusive com o nome de solteira sabendo exatamente que é o seu marido John que está enfrentando sozinho os terroristas. E proteger ou salvar a mulher amada em qualquer obra é exatamente a representação do ideal machista heroico e romântico.

Em um momento de clareza, John assume seus erros com sua esposa onde deveria ficar feliz por ela ser bem sucedida e ganhar mais do que ele. Um pedido de desculpas sincero e profundo.
A amizade
Durante o filme, John McLane só te acesso a um HT radio Walkie Talkie e muito dos dialogos do file são feitos através do mesmo. John acaba por conversar tanto com o lider dos terroristas quanto com o Sargento Al Powel que se torna o único amigo com quem John pode contar. Powel é um policial de rua com quem John McLane se identifica e ajuda a chamar os reforços para a situação. Al também tem a sua própria história sobre aprender a superar um erro do passado, quando atirou em uma criança por engano que carregava uma arma de brinquedo. A amizade de John McLane com Al Powel é crucial quando nem o próprio Departamento de Policia acredita em John.

Os Terroristas
O filme é um clássico natalino justamente por ser antes de tudo um drama policial com personagens bem desenvolvidos e que reagem com medo e espanto perante a situação. E mesmo as explosões mais absurdas ainda ocorrem por motivos concretos e plausíveis.
Dito isso, as maiores criticas do filme são sem duvida sobre as motivações dos terroristas. O querido ator Alan Rickman, falecido recentemente, interpreta aqui o lider terrorista Hans Gruber. E muitos críticos não entendem se o grupo é composto por verdadeiros terroristas ou apenas assaltantes que pretendem roubar 640 Milhões de Dólares. Parece que esses críticos nunca ouviram falar de verdadeiros terroristas que roubam bancos para financiar a compra de armas e equipamentos. Os críticos também ignoram o fato dos terroristas terem assassinado pessoas a sangue frio e que o plano deles é explodir todos os reféns com explosivos C4 para fingir suas próprias mortes.

Sem Spoilers, vão assistir o filme.
Se a série de filmes Duro de Matar se tornou uma boa franquia de filmes de ação, vale lembrar que o primeiro filme é um verdadeiro clássico de Natal cheio de bons valores e que merece ser assistido e explicado para as novas gerações sempre que possível. Foi o filme que transformou Bruce Willis de comediante em um astro de ação e isso só custou a audição de um ouvido, que Willis perdeu a fazer uma cena de tiroteio sem o protetor. Outra curiosidade é que o Nakatomi Plaza realmente existe e é a sede da Fox em Los Angeles. Um filme altamente recomendado!

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Rocky Balboa - O fim da saga machista

Sylvester Stallone, porra!

Terminando com chave de outro a saga machista de um dos personagens mais queridos do cinema!
Um review de presente de Natal de 2018!

Rocky Balboa (2006)
Escrito e dirigido por Sylvester Stallone em pessoa

O Campeão que não sabe vencer
O Inicio deste maravilhoso filme mostra a luta do campeão Mason Dixon,
campeão dos pesos pesados, Mason Dixon é constantemente xingado pelo fato de apenas lutar
contra lutadores muito mais fracos. A popular Marmelada a qual muitos lutadores fazem ao chegar no auge.
O próprio Rocky viveu isso quando seu antigo treinado, Mickey, escolhia apenas lutadores fracos para enfrentar Rocky.

O diferencial dos roteiros de Rocky é justamente que nenhum oponente, por pior que seja, jamais foi um vilão. E o maior exemplo, Ivan Drago, no final se mostrou apenas um ser humano com medo e raiva obedecendo ordens políticas.
Outra sacada: Mason Dixon é interpretado pelo campeão real de peso pesado Antonio Tarver!

E para entender sobre o campeão, é preciso entender esse dialogo entre ele e seu antigo treinador Martin:

- Você tem tudo o que o dinheiro pode comprar, menos aquilo que ele não pode: É orgulho!
Orgulho é o que botou o teu rabo entre os campeões, e perder é o que vai te trazer de volta!
- Isso não vai acontecer, não tem ninguém pra me desafiar.
- Sempre tem alguém! Sempre. Quando a hora chegar e você encontrar alguém na sua frente,
alguém que não corre, não foge e que continua a te socar enquanto tu nem consegue respirar.
Tu vai achar essa situação vindo pra cima de ti e isso é bom. Porque é o batismo de fogo!
Você vai passar por isso e encontrar o único tipo de respeito que importa nesse mundo. Respeito próprio!

Adrian - O Coração do Guerreiro

Talia Shire sempre viveu a companheira de Rocky, sua alma gemea com quem escolheu viver.
E este filme apresenta um dos exemplos mais bonitos do respeito que os filmes machistas de verdade tem para com as
mulheres. Um romantismo onde a pessoa amada se torna um ideal de paraíso.

Adrian faleceu depois de uma luta dura contra o câncer e Rocky faz questão de relembrar sempre que possível os bons momentos que viveu com ela. Ele visita o seu túmulo todos os anos com direito a ter uma cadeira própria escondida nas arvores. E se temos melancolia e dor pela perda, também conseguimos ver Rocky com gratidão nos olhos ao se lembrar dela.

Poulie, seu irmão vivido por Burt Young, no exato oposto a Rocky, só tem dor e mágoa do passado.
Onde se lembra que tratou Adrian muito mal. É verdade, Poulie sempre foi um escroto.
Mas Rocky e Adrian o amavam. Querendo ou não, Poulie apresentou os dois.
Infelizmente, Poulie ainda sofre muito com o passado e com as memórias de Adrian.

Rocky Legends
Inspirados pela mediocridade das lutas do atual campeão Mason, um programa de TV resolve fazer uma simulação
para saber se o atual campeão se daria bem lutando contra Rocky Balboa, que já não lutava há 14 anos.
Para isso, foi usado o game Rocky Legends para Playstation 2 cuidadosamente manuseado por nerds viciados.
E utilizando dos dados das antigas lutas de ambos os lutadores, concluiram que Rocky ganharia sim a luta.

O resultado foi visto por um campeão solitário jogando basquete sozinho enquanto sua casa está cheia de falsos amigos.
E pela primeira vez em muito tempo, o campeão viu uma derrota. E mesmo falsa, foi o suficiente...
Isso foi inspirado em um evento real onde um computador foi usado em um programa The Super Fight (1970) para definir quem ganharia uma luta entre Muhammad Ali e Rocky Marciano.
Depois que o computador deu vitória a Marciano, Muhammad Ali teria dito:
- Esse computador foi feito no Alabama!

Valores familiares
Rocky abriu o seu próprio restaurante e tenta ao máximo manter contato com seu filho Bob que agora é interpretado por Milo Ventimiglia. Ator escolhido por conseguir imitar a boca torta de Stallone.
Bob tem um emprego onde não é respeitado e não se sente bem vivendo a sombra de seu pai famoso.
E sabem o nome do restaurante? É Adrian!

Existe muito sofrimento em Rocky pela perda de Adrian e por não conseguir se comunicar com Bob.
Mas ao mesmo tempo, em uma cena que demonstra a saudade que Rocky tem de Adrian ao visitar
o lugar onde andou de patins com ela, podemos ver Poulie igualmente cheio de dor e vergonha pelo passado.

O valor machista
Uma noite, Rocky adentra um antigo bar apenas para relembrar o passado.
O bar está decadente e caindo aos pedaços, mas Rocky só quer tomar uma cerveja.
A atendente Marie, Geraldine Hughes, vem lhe servir uma bebida e aproveita para conversar.
Marie foi justamente a menina que Rocky levou para casa e lhe deu uma pequena lição de vida no primeiro filme.
Uma lição sobre uma menina nova no meio de rapazes que só sabem usar outras pessoas.
Marie era uma jovem andando com malandros de rua que só queriam se aproveitar dela para conseguir o que queriam.
seja cigarros e bebidas. Seja sexo ou seja drogas e ajuda em crimes.
Uma lição de vida sobre meninas e malandros. Malandros e bandidos sempre usam meninas para terem o que querem.

Curiosamente, no outro canto do bar essa mesma história se repetia com um cara metido a malandro bebendo as custas
de outras meninas. Rocky observa enquanto o cara dá um tapa na cabeça de uma menina e a manda vir pedir bebidas pra Rocky. Rocky até tenta falar pra menina não deixar o malandro mandar nela, mas ela apenas xinga ele.

Sentindo que o ambiente estava pesado para Marie, Rocky oferece carona para a moça.
E na saída do bar, o malandro grandalhão aparece querendo briga. Ele xinga tanto Rocky quanto Marie pra brigar. Rocky calmamente coloca Marie dentro do carro e tem uma atitude extremamente machista:
Encarar o grandalhão, pegar ele pelo colarinho e fazer ele pedir desculpas pra Marie!
Uma atitude machista, de macho, que requer valores que não se consegue fingir. Como coragem e responsabilidade.

A Busca pela felicidade
Ao finalmente saber da simulação de Playstation 2 onde ele venceria o atual campeão dos pesos pesados,
Rocky começa a pensar em voltar a lutar. Coisa que ele sempre gostou e que o deixava feliz.

Rocky começa a pensar em um evento real pouco mencionado no filme.
Que foi a luta de George Foreman e Michael Moorer de 1994. Foreman tinha 45 anos quando desafiou Moorer de 26 anos
e campeão dos pesos pesados. Michael Moorer brincou com Foreman por 9 assaltos seguidos. Era uma vitória fácil para
Michael Moorer até o 10 round quando George Foreman entregou um Senhor Soco que veio do nada e nocauteou o campeão!

A última coisa que envelhece numa pessoa é o coração
Antes mesmo de começar pensar em treinar, Rocky decide trazer as pessoas para perto de si.
Convida Marie e seu filho Steps para trabalhar em seu restaurante. Tenta consertar o seu relacionamento com seu filho e tenta ajudar Poulie a superar o passado. Ele até adota um cachorro todo velho, feio e fedorento! O cachorro chamado soco!

E pra finalizar essa etapa de sua vida antes de voltar a treinar, a chave de ouro é se reconciliar com seu filho com um discurso que ficou na história do cinema!

- O mundo não é um mar de rosas; é um lugar sujo, um lugar cruel, que não quer saber o quanto você é durão. Vai botar você de joelhos e você vai ficar de joelhos para sempre se você deixar. Você, eu, ninguém vai bater tão forte como a vida, mas não se trata de bater forte. Se trata de quanto você aguenta apanhar e seguir em frente, o quanto você é capaz de aguentar e continuar tentando. É assim que se consegue vencer.

Agora se você sabe do teu valor, então vá atrás do que você merece, mas tem que estar preparado para apanhar. E nada de apontar dedos, dizer que você não consegue por causa dele ou dela, ou de quem quer que seja. Só covardes fazem isso e você não é covarde, você é melhor que isso.


Meritocracia - A Saga dos Fudidos Parte VI
Cada filme da saga Rocky é uma verdadeira lição de vida passando na Sessão da Tarde.
Você pode deixar passar, pode ver e se divertir ou então pode prestar atenção e realmente aprender.

Rocky finalmente recebe o convite para a luta com o campeão.
O desafio é baseado no respeito mutuo. Metade dos lucros vão para a caridade e Rocky ainda pretende
montar o próprio centro juvenil para treinar jovens.

Antes de começar a treinar, Rocky procurou se focar justamente no que era importante. Que era reunir amigos e família.
E quando Rocky finalmente conseguiu sentir que estava tudo bem com as pessoas que ele se importava,
ele se sentiu a vontade para ir atrás de seu sonho.
E assim no esporte como na vida, a regra que vale é o mérito do esforço. Improvisar, adaptar e superar.

Rocky vai trilhar o caminho do esforço, do mérito e do enfodecimento.
Dessa vez, treinando com o velho Duke, personagem quase esquecido da saga, treinador de Apollo Creed.

- Para vencer esse cara, você precisa de velocidade, mas você não tem isso. Seus joelhos não aguentam o tranco. Seu pescoço tem artrite, tem cálcio nas juntas e já era treinar com sparring.
Então, o negócio vai ser partir pra cima com força. A velha porradaria. A cavalice.
Socos poderosos que vão machucar até os antepassados dele. Cada porrada tem que fazer ele sentir o trem. Vamos construir algumas bombas doloridas!

O treinamento tem uma das montagens mais rápidas da saga.
Uma das cenas mais legais do treinamento é justamente Rocky refazendo sua famosa corrida subindo
os degraus do Museu com o acompanhamento do velho cachorro Soco.

E ao final do treinamento, dias antes da luta, os dois lutadores se encontram numa comitiva de imprensa e conseguem
conversar de homem pra homem. Ao final da conversa, Rocky pergunta:

- Hey Campeão, você não fica com um poucode medo?
- Eu nunca tenho medo.

E neste momento conseguimos ver um sorriso sincero de Rocky.
Quando seu filho pergunta o porque do sorriso, Rocky responde:
- Sabe, você sempre tenta com mais vontade se tem medo. Sempre funcionou comigo.

A última luta de Rocky
Infelizmente agora é a hora em que eu sou malvado e não vou contar o final do flme!
Fiquem curiosos e procurem pelo filme em qualquer plataforma possível!

Lógico, vou contar as curiosidades dessa última luta:

- A luta realmente foi filmada em um estádio antes da luta entre Bernard Hopkins e Jermaine Taylor.
Toda a platéia, jornalistas e equipe apareceram no filme que foi filmado em Mandalay Resort and Casino em Las Vegas. De fato, Sylvester Stallone pensou que iria ser vaiado pela plateia ao entrar.
Mas não teve jeito, ao entrar, a plateia se levantou sozinha e começou a gritar ROCKY, ROCKY!

- Só de sacanagem a equipe de efeitos especiais colocou Sylvester Stallone como ele mesmo
 na plateia assistindo a luta de Rocky.

- Sylvester Stallone e Antonio Tarver realmente se acertaram socos de verdade durante a luta.
A luta foi tão realista que uma das cenas onde Rocky cai e precisa se apoiar nas cordas aconteceu de verdade. Antonio Tarver realmente nocauteou Stallone!

- Mike Tyson aparece para provocar Antonio Tarver. A brincadeira foi tão boa que as provocações foram improvisadas.

- O filme tem 2 finais na versão em DVD e você pode escolher o seu final preferido.

Altamente recomendado!